A inocência de Judas

A história de Judas sempre foi algo que me deixou intrigado. Eu pensava: seria Judas realmente “O MAU”, o grande ser maligno que acabou com a vida de Cristo? Mas hoje quero te levar a um ponto de vista alternativo, visando à inocência de Judas, ou não. Este post não é uma defesa para o “Discípulo Traidor”, apenas quero te mostrar o que pode ter acontecido com um dos personagens bíblicos mais odiados da história.

ALERTA! Se por acaso você se sente abalado, confuso quando alguém levanta uma questão polêmica da Bíblia, te aconselho a não prosseguir a leitura deste texto. Caso contrário, se você respeita opiniões, pensamentos, interpretações e está disposto a receber novas informações, vá em frente.

A PRIMEIRA APARIÇÃO NA BÍBLIA

O nome de Judas surge pela primeira vez na Bíblia no livro de Mateus, capítulo 10, quando Jesus chama “seus doze discípulos” e lhes dá “poder sobre os espíritos imundos, para os expulsarem, e para curarem toda a enfermidade e todo o mal.” (Mt 10.1). Na sequência desse verso, o autor do livro menciona o nome dos discípulos, o que inclui Judas Iscariotes, fazendo uma breve observação sobre o mesmo: “aquele que o traiu” (Mt 10.4).

Vale lembrar que haviam outros Judas. Em Mateus 10.3 vemos o Judas, conhecido como Tadeu, que também era discípulo. Outro personagem com este nome é o irmão de Jesus, mencionado em Mateus 13.55, provável autor da epístola de S. Judas.

AS PROFECIAS SOBRE A TRAIÇÃO

Uma coisa era certa, Cristo seria traído. Ele mesmo já sabia deste fato, como vemos em Mateus 26.21 “E, comendo eles, disse: Em verdade vos digo que um de vós me há de trair”.

Essa verdade já era do conhecimento de Deus antes mesmo de Jesus “nascer” nesta terra.

Estudiosos defendem algumas profecias do antigo testamento que fazem referência a este acontecimento:

Trinta moedas de prata

Profecia: “Eu lhes disse: se vos parece bem, dai-me o meu salário; e, se não, deixai-o. Pesaram, pois, por meu salário trinta moedas de prata”. Zacarias 11.12

Cumprimento: “Então, um dos doze, chamado Judas Iscariotes, indo ter com os principais sacerdotes, propôs: Que me quereis dar, e eu vo-lo entregarei? E pagaram-lhe trinta moedas de prata”. Mateus 26.14-15

Traído por um amigo

Profecia: “…mas és tu, homem meu igual, meu companheiro e meu íntimo amigo. Juntos andávamos, juntos nos entretínhamos e íamos com a multidão à Casa de Deus. A morte os assalte, e vivos desçam à cova! Porque há maldade nas suas moradas e no seu íntimo”. Salmos 55.13-15

Cumprimento: “E logo, aproximando-se de Jesus, lhe disse: Salve, Mestre! E o beijou. 50 Jesus, porém, lhe disse: Amigo, para que vieste? Nisto, aproximando-se eles, deitaram as mãos em Jesus e o prenderam”. Mateus 26.49-50

JUDAS ENTREGA JESUS

Confira os quatro relatos:

Mateus 26:14-16

Então um dos doze, chamado Judas Iscariotes, foi ter com os príncipes dos sacerdotes,

E disse: Que me quereis dar, e eu vo-lo entregarei? E eles lhe pesaram trinta moedas de prata,

E desde então buscava oportunidade para o entregar.


Marcos 14:10,11

E Judas Iscariotes, um dos doze, foi ter com os principais dos sacerdotes para lho entregar.

E eles, ouvindo-o, folgaram (alegraram), e prometeram dar-lhe dinheiro; e buscava como o entregaria em ocasião oportuna.


Lucas 22:3-6

Entrou, porém, Satanás em Judas, que tinha por sobrenome Iscariotes, o qual era do número dos doze.

E foi, e falou com os principais dos sacerdotes, e com os capitães, de como lho entregaria;

Os quais se alegraram, e convieram (concordaram, combinaram mutuamente) em lhe dar dinheiro.

E ele concordou; e buscava oportunidade para lho entregar sem alvoroço. 


João 13.2

E, acabada a ceia, tendo já o diabo posto no coração de Judas Iscariotes, filho de Simão, que o traísse,


O autor de Mateus destaca uma má intenção de Judas ao procurar os príncipes dos sacerdotes. O autor desse livro revela que Judas queria se beneficiar com aquela informação, ele buscava algo para ele, tinha interesse.

Já nos livros Marcos e Lucas, vemos outra postura do discípulo tido como traidor. Eles não apontam um interesse de Judas, uma ambição, apenas dizem que ele procurou os principais dos sacerdotes para entregar Jesus. Depois disso, essas autoridades se alegraram e resolveram retribui-lo com dinheiro. Percebemos uma diferença entre ambos os textos quando o autor de Lucas descreve que Judas concordou com o pagamento pela traição, o que não é visto em Marcos.

Outro ponto a ser destacado é a interferência de satanás sobre a decisão de Judas, relatada nos livros de Lucas e de João, levando-nos a entender esta traição como se fosse oriunda de uma “motivação externa”, e “não interna” como em Mateus. Judas estaria sendo usado pelo diabo para entregar Jesus.

Considerando as exposições deste fato, podemos concluir pelo menos três pensamentos diferentes:

  • Judas traiu Jesus porque queria uma recompensa – baseado em Mateus;
  • Judas traiu Jesus simplesmente para entregá-lo as autoridades, não pretendendo obter nenhum ganho financeiro com essa atitude – baseado em Marcos;
  • Judas traiu Jesus porque estava possuído ou orientado pelo diabo – baseado em Lucas e João.

JESUS PREVÊ A TRAIÇÃO

Mateus 26:20-25

E, chegada a tarde, assentou-se à mesa com os doze.

E, comendo eles, disse: Em verdade vos digo que um de vós me há de trair.

E eles, entristecendo-se muito, começaram cada um a dizer-lhe: Porventura sou eu, Senhor?

E ele, respondendo, disse: O que põe comigo a mão no prato, esse me há de trair.

Em verdade o Filho do homem vai, como acerca dele está escrito, mas ai daquele homem por quem o Filho do homem é traído! Bom seria para esse homem se não houvera nascido.

E, respondendo Judas, o que o traía, disse: Porventura sou eu, Rabi? Ele disse: Tu o disseste.


Marcos 14:18-21

E, quando estavam assentados a comer, disse Jesus: Em verdade vos digo que um de vós, que comigo come, há de trair-me.

E eles começaram a entristecer-se e a dizer-lhe um após outro: Sou eu? E outro disse: Sou eu?

Mas ele, respondendo, disse-lhes: É um dos doze, que põe comigo a mão no prato.

Na verdade o Filho do homem vai, como dele está escrito, mas ai daquele homem por quem o Filho do homem é traído! Bom seria para o tal homem não haver nascido.


Lucas 22:21,22

Mas eis que a mão do que me trai está comigo à mesa.

E, na verdade, o Filho do homem vai segundo o que está determinado; mas ai daquele homem por quem é traído!


João 13:18-30

Não falo de todos vós; eu bem sei os que tenho escolhido; mas para que se cumpra a Escritura: O que come o pão comigo, levantou contra mim o seu calcanhar.

Desde agora vo-lo digo, antes que aconteça, para que, quando acontecer, acrediteis que eu sou.

Na verdade, na verdade vos digo: Se alguém receber o que eu enviar, me recebe a mim, e quem me recebe a mim, recebe aquele que me enviou.

Tendo Jesus dito isto, turbou-se em espírito, e afirmou, dizendo: Na verdade, na verdade vos digo que um de vós me há de trair.

Então os discípulos olhavam uns para os outros, duvidando de quem ele falava.

Ora, um de seus discípulos, aquele a quem Jesus amava, estava reclinado no seio de Jesus.

Então Simão Pedro fez sinal a este, para que perguntasse quem era aquele de quem ele falava.

E, inclinando-se ele sobre o peito de Jesus, disse-lhe: Senhor, quem é?

Jesus respondeu: É aquele a quem eu der o bocado molhado. E, molhando o bocado, o deu a Judas Iscariotes, filho de Simão.

E, após o bocado, entrou nele Satanás. Disse, pois, Jesus: O que fazes, faze-o depressa.

E nenhum dos que estavam assentados à mesa compreendeu a que propósito lhe dissera isto.

Porque, como Judas tinha a bolsa, pensavam alguns que Jesus lhe tinha dito: Compra o que nos é necessário para a festa; ou que desse alguma coisa aos pobres.

E, tendo Judas tomado o bocado, saiu logo. E era já noite.


Jesus, em um de seus últimos instantes com seus discípulos, na última ceia, declara que seria traído.

A referência bíblica feita em João 13.18, se encontra em Salmos 41.9 “Até o meu próprio amigo íntimo, em quem eu tanto confiava, que comia do meu pão, levantou contra mim o seu calcanhar”.

Os quatro evangelhos concordam exatamente em uma coisa nesta parte da história, a declaração de Jesus sobre a traição, dizendo que viria através de um dos discípulos que ali estavam.

Outros pontos a serem observados são:

  • Os discípulos se entristeceram com a declaração de que um deles seria o traidor e ficam curiosos quanto a identidade do traidor – vemos aqui que os discípulos não desconfiavam de Judas, tanto que cada um deles considera a hipótese de ser o delator, conforme relato do livro de Marcos. Na versão do livro de João, vemos que os discípulos ficaram em dúvida sobre quem seria. Não era algo óbvio.
  • “Está escrito” – é o que diz em Mateus 26.24 e Marcos 14.21, e também em outras palavras, como nos versos de Lucas 22.22 (“segundo o que está determinado”) e João 13.18 (“para que se cumpra a Escritura”). Jesus esclarece que as coisas aconteceriam como de fato elas deveriam acontecer. É o que está escrito.
  • “Ai daquele homem” – Jesus, olhando para seus discípulos, falando que seria traído por um deles, diz “ai daquele homem por quem o Filho do homem é traído! Bom seria para o tal homem não haver nascido”. Cristo diz para Judas, não diretamente, que melhor seria se ele não tivesse nascido. Essa declaração pode nos levar a dois pensamentos: 1º- Que a traição era um erro tão grave, que melhor seria não ter nascido, para poder não estar sujeito a esta falha. 2º- Que o traidor sofreria muito, algo inevitável, carregaria um grande peso. Seria melhor para ele não ter nascido, pois assim fugiria do seu possível “destino”.
  • Judas é o traidor – Os livros Lucas e Marcos não descrevem a parte que Jesus revela Judas como o traidor. Porém, nas narrações dos livros Mateus e João, fica bem claro que Judas é quem deveria trair Jesus. Em Mateus Judas já se entrega de imediato, dizendo: “porventura sou eu?”. Já em João, Jesus faz algo mais “profético”, ele molha um bocado de pão e diz que a quem ele entregar aquele pão, este o trairá. E ele entrega a Judas Iscariotes. No texto ainda fala que neste momento, “entrou nele (Judas) satanás”. Em sequência Jesus diz: “O que fazes, faze-o depressa.” Logo em seguida Judas sai com o bocado de pão e foi entregar Jesus.

O BEIJO DA MORTE

Mateus 26:46-50

Levantai-vos, partamos; eis que é chegado o que me trai.

E, estando ele ainda a falar, eis que chegou Judas, um dos doze, e com ele grande multidão com espadas e varapaus, enviada pelos príncipes dos sacerdotes e pelos anciãos do povo.

E o que o traía tinha-lhes dado um sinal, dizendo: O que eu beijar é esse; prendei-o.

E logo, aproximando-se de Jesus, disse: Eu te saúdo, Rabi; e beijou-o.

Jesus, porém, lhe disse: Amigo, a que vieste? Então, aproximando-se eles, lançaram mão de Jesus, e o prenderam.


Marcos 14:42-46

Levantai-vos, vamos; eis que está perto o que me trai.

E logo, falando ele ainda, veio Judas, que era um dos doze, da parte dos principais dos sacerdotes, e dos escribas e dos anciãos, e com ele uma grande multidão com espadas e varapaus.

Ora, o que o traía, tinha-lhes dado um sinal, dizendo: Aquele que eu beijar, esse é; prendei-o, e levai-o com segurança.

E, logo que chegou, aproximou-se dele, e disse-lhe: Rabi, Rabi. E beijou-o.

E lançaram-lhe as mãos, e o prenderam.


Lucas 22:47,48

E, estando ele ainda a falar, surgiu uma multidão; e um dos doze, que se chamava Judas, ia adiante dela, e chegou-se a Jesus para o beijar.

E Jesus lhe disse: Judas, com um beijo trais o Filho do homem?


João 18:1-9

Tendo Jesus dito isto, saiu com os seus discípulos para além do ribeiro de Cedrom, onde havia um horto, no qual ele entrou e seus discípulos.

E Judas, que o traía, também conhecia aquele lugar, porque Jesus muitas vezes se ajuntava ali com os seus discípulos.

Tendo, pois, Judas recebido a coorte e oficiais dos principais sacerdotes e fariseus, veio para ali com lanternas, e archotes e armas.

Sabendo, pois, Jesus todas as coisas que sobre ele haviam de vir, adiantou-se, e disse-lhes: A quem buscais?

Responderam-lhe: A Jesus Nazareno. Disse-lhes Jesus: Sou eu. E Judas, que o traía, estava com eles.

Quando, pois, lhes disse: Sou eu, recuaram, e caíram por terra.

Tornou-lhes, pois, a perguntar: A quem buscais? E eles disseram: A Jesus Nazareno.

Jesus respondeu: Já vos disse que sou eu; se, pois, me buscais a mim, deixai ir estes;

Para que se cumprisse a palavra que tinha dito: Dos que me deste nenhum deles perdi.


Os evangelhos são bem parecidos ao descreverem o momento que Judas entrega Jesus, com exceção do livro de João. O beijo da morte é visto apenas nos relatos de Mateus, Marcos e Lucas. A cena se repete nesses três livros: Judas chega com uma multidão e dá o beijo em Jesus, identificando-o.

Mas, quando olhamos o que é dito em João, vemos outra história. Jesus, que antes havia dado o pedaço de pão molhado àquele quem o traíra, e tendo dito para que Judas fizesse o que deveria ser feito, agora vai em direção aos principais sacerdotes e fariseus e pergunta: “A quem buscais?”. O texto diz que Judas estava com eles, e não fala de nenhum diálogo direto entre Jesus e ele. O interessante aqui é o autor de João não mencionar “o beijo da morte”, nem o diálogo de Jesus e Judas. Ele mostra outra versão, onde Jesus se entrega, pois já era a hora, estava escrito, deveria ser assim.

OS ÚLTIMOS INSTANTES DE JUDAS

Mateus 27:3-10

Então Judas, o que o traíra, vendo que fora condenado, trouxe, arrependido (com remorso), as trinta moedas de prata aos príncipes dos sacerdotes e aos anciãos,

Dizendo: Pequei, traindo o sangue inocente. Eles, porém, disseram: Que nos importa? Isso é contigo.

E ele, atirando para o templo as moedas de prata, retirou-se e foi-se enforcar.

E os príncipes dos sacerdotes, tomando as moedas de prata, disseram: Não é lícito colocá-las no cofre das ofertas, porque são preço de sangue.

E, tendo deliberado em conselho, compraram com elas o campo de um oleiro, para sepultura dos estrangeiros.

Por isso foi chamado aquele campo, até ao dia de hoje, Campo de Sangue.

Então se realizou o que vaticinara o profeta Jeremias: Tomaram as trinta moedas de prata, preço do que foi avaliado, que certos filhos de Israel avaliaram,

E deram-nas pelo campo do oleiro, segundo o que o Senhor me determinou.


Marcos – não relata este acontecimento.


Lucas – não relata este acontecimento.


João – não relata este acontecimento.


Dos evangelhos, apenas em Mateus vemos o que aconteceu com Judas após a traição, como também o arrependimento ou remorso de Judas. Os estudiosos mostram que a palavra usada pelo autor de Mateus ao descrever o sentimento de Judas era diferente da palavra usada em outros momentos no Novo Testamento para se referir a arrependimento, então alguns a traduzem como remorso.

Porém, observando os acontecimentos, mesmo que a palavra usada para descrever o sentimento de Judas seja melhor traduzida para remorso, constatamos que as atitudes dele são de arrependimento, pelo menos aparentemente.

O texto fala que Judas, vendo que fora condenado, trouxe “arrependido” ou “com remorso”, as trinta moedas de prata para os principais dos sacerdotes e aos anciãos. Essa atitude me leva a crer que, após ele se deparar com a triste consequência de sua traição, ele volta atrás, se arrepende, abre mão do que ganhou.

Depois, Judas ainda reconhece a inocência de Cristo e o seu pecado, dizendo: “pequei, traindo o sangue inocente”. Com esta declaração ele realiza suas últimas ações, segundo o evangelho de Mateus, joga as moedas no templo, sai dali e vai enforcar-se.

A VERSÃO DE ATOS DOS APÓSTOLOS

O autor de Atos, que acredita-se ser o mesmo de Lucas, descreve uma versão da morte de Judas aparentemente diferente da versão de Mateus.


Atos 1:16-20

Homens irmãos, convinha que se cumprisse a Escritura que o Espírito Santo predisse pela boca de Davi, acerca de Judas, que foi o guia daqueles que prenderam a Jesus;

Porque foi contado conosco e alcançou sorte neste ministério.

Ora, este adquiriu um campo com o galardão da iniquidade; e, precipitando-se, rebentou pelo meio, e todas as suas entranhas se derramaram.

E foi notório a todos os que habitam em Jerusalém; de maneira que na sua própria língua esse campo se chama Aceldama, isto é, Campo de Sangue.

Porque no livro dos Salmos está escrito: Fique deserta a sua habitação, E não haja quem nela habite, e: Tome outro o seu bispado.


A princípio, podemos concluir que este seria um fim diferente de Judas, se comparado ao relatado em Mateus, mas o site abiblia.org apresenta um ponto de vista interessante que pode ser levado em consideração. Eles expõem a descrição de Atos como uma consequência da narração de Mateus, dizendo que Judas teria se enforcado, mas a corda, não tendo o suportado, arrebentou, fazendo-o cair. Como consequência da queda ele “rebentou pelo meio, e todas as suas entranhas se derramaram”.

É uma conclusão interessante, mas em Mateus diz que “os príncipes dos sacerdotes” compraram com as moedas “o campo de um oleiro, para sepultura dos estrangeiros”, já em Atos diz que “este (Judas) adquiriu um campo com o galardão da iniquidade”. Ou seja, os compradores são diferentes nos dois relatos.

Outra diferença entre os textos é a origem do nome Campo de Sangue, Aceldama, que no evangelho de Mateus refere-se ao fato de ter sido comprado com o dinheiro que custou o sangue de Jesus. Em Atos, além de dizer que o campo foi comprado com o dinheiro que custou o sangue de Jesus, menciona o fato das entranhas de Judas terem se derramado no campo, o que tornou “notório a todos os que habitam em Jerusalém” a reputação do campo.

CONCLUSÕES FINAIS

Eu tenho um hábito de não acreditar apenas no que me falam, quando se trata da Bíblia, então sempre gosto de pegar diferentes interpretações, versões, analisar o texto,  e então formar uma conclusão, ou não (rsrs).

Na análise da traição de Judas, assim como em outros acontecimentos bíblicos, eu me guardo em uma posição de não firmar meu pensamento em um único panorama, mas, pelo contrário, passo a encarar as diferentes visões e considerar as duas.

Judas pode sim ser um grande traidor, maldoso, que cometeu uma das piores atrocidades da história da humanidade. Mas também ele pode ter sido alguém como eu e você, capaz de erros, fracassos, que foi usado pelo inimigo quando deu brecha, coisa que em outro momento também aconteceu com o apóstolo Pedro, e acabou sendo o principal personagem na traição de Jesus.

Talvez Judas esteja no inferno, talvez ele esteja no céu. Quem sabe a verdade é apenas UM, o nosso amado e bom Deus. Ele é o conhecedor de todas as coisas, de todos os tempos.

O que realmente aconteceu? O que se passou no coração de Judas? Como foi o arrependimento ou remorso de Judas? Essas são perguntas que ainda não temos respostas, “porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido” (1 Coríntios 13.12).

Podemos aprender nesta reflexão a não rotular pessoas pelo o que é mais promovido. Devemos considerar interpretações, pensamentos, possíveis acontecimentos.

Que a paz esteja contigo!

Ame as escrituras, se interesse por elas. Hoje a Bíblia é acessível. Não se prenda apenas pelo o que você ouve, se desperte a ver com os seus próprios olhos, a investigar. Seja pensante! Seja um crente que sabe ou que procura saber.

Até a próxima!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s